A fintech brasileira Swipe, criada em 2017 por Eduardo Nuzzi, Marcelo Martins e Vitor Almeida, tem atraído a atenção de grandes players do mercado brasileiro, inclusive o Banco Central (Bacen) e a gigante de pagamentos Visa. Segundo uma reportagem da revista Exame, a empresa possui soluções em blockchain voltada para pagamentos instantâneos.

Nas carteiras da Swipe, é possível fazer transferências e usar serviços, como pagar contas e fazer recargas de aplicativos de carona, celular e vale-transporte. As empresas contratantes oferecem novidades aos clientes e usam os dados anonimizados para estratégias de criação de produtos e de marketing. Exemplos são as fintechs PitayaBank e StarPay, mas a Swipe está negociando com instituições financeiras maiores e espera atender também varejistas buscando oferecer soluções financeiras a seus clientes.

“Já enxergávamos potencial em trabalhar com fintechs e o melhor formato para atrair as startups foi com um programa de aceleração para negócios em estágio de crescimento. Conseguimos ajudá-las com nossas conexões com instituições financeiras e nossa experiência com mentorias de executivos”, afirma Érico Fileno, diretor de inovação da Visa.

A reportagem destaca ainda que a Swipe desenvolveu uma infraestrutura em blockchain para redes internacionais de pagamento e suas transferências e que isso atraiu a atenção do Bacen, que “buscava projetos que validassem a discussão sobre pagamentos instantâneos e a tecnologia da Swipe cumpria os requisitos colocados pela instituição. Algumas exigências são um provedor de serviços de pagamento, uma infraestrutura de liquidação junto ao Banco Central e uma plataforma de intermediação desses sistemas, conhecida como switch”.

No entanto, os pagamentos instantâneos funcionam apenas dentro das próprias carteiras da Swipe por enquanto, mas, segundo a reportagem, até o final de 2020, a startup espera que todas as transações sejam imediatas. O negócio também prepara sua primeira rodada de captação para o ano que vem.

“Queremos deixar a plataforma mais robusta, atender as empresas de forma eficiente e replicar para mais usuários em 2020”, finaliza Almeida.

Leia também: Ex-presidente do Bacen diz que o Bitcoin precisa ser regulado para ter alguma chance